Gestão Integrada – 3

O que é grau de complexidade em um projeto? É o grau de conhecimento que temos em um determinado momento do projeto. Por exemplo. Se a equipe tem conhecimento claro do escopo, o projeto é de baixa complexidade, se formos desenvolver um projeto onde 5 consorciados estiverem envolvidos na gestão, certamente o projeto será mais complexo para gerenciá-lo. Se tivermos que desenvolver um projeto em um prazo inexequível dentro dos padrões normais, teremos que revisar os conhecimentos de engenharia do mesmo; portanto ele é mais complexo. Se tivermos muitas pessoas para administrar, a gestão será mais complexa. Se tivermos um projeto que requer divisão em sub-projetos, devido ao seu porte, a administração será mais complexa. Portanto, para determinar a complexidade do projeto, basta elencar um conjunto de critérios e analisar. Se houver maioria dos critérios escolhidos como alta complexidade, teremos que aumentar o rigor do gerenciamento, isto é, aplicar mais processos, mais ferramentas e instrumentos de controle, aumentarmos a comunicação para que tenhamos menos riscos e por consequencia menos problemas admministrativos no projeto. O contrário, ou seja, menos complexidade, menos ferramentas, menos processos e menos burocracia gerencial.

Anúncios

Gestão do Tempo – 10

Quando o projeto atrasa o cronograma. O que fazer? A primeira coisa a fazer é reunir o time, rever em conjunto as sequencias, recursos, construtibilidade…Aplica-se aqui pelo menos duas técnicas importantes, denominadas como FAST TRACKING e CRASHING, ou seja, verificar se há possibilidade de algumas atividades do caminho critico serem desenvolvidas em paralelo e assim ganharmos tempo ou a possibilidade de aplicarmos mais recursos nas atividades do caminho critico e assim reduzirmos tempo, mas não se esqueçam que há também a necessidade de verificarmos a atividade com melhor custo benefício. Também pode-se aplicar a corrente critica, dependendo do tipo de aividade e recursos que podem ser particionadas.

Gestão de Escopo – 3

A Estrutura Analítica do Projeto (EAP) e o grau de detalhamento imposto no planejamento podem influenciar na composição do quadro de pessoal do projeto, pois o tipo e a quantidade de trabalho a ser realizado pode ditar quais são as competências e as quantidades de recursos necessárias para que as entregas ocorram.

Gestão de Mudanças – 4

Cuidado com os pedidos de mudança recebidos. Analise as solicitações de mudança e verifique por quê estão sendo solicitadas e os impactos que causarão no projeto. Algumas pessoas enviam as solicitações de mudança para tornar seu trabalho mais fácil. Por vezes, estas pessoas tem outros interesses e que não coincidem com os interesses do projeto.

Gestão de Stakeholders – 5

Ao iniciar um projeto, um dos primeiros passos a cumprir na maratona que vem a seguir é identificar os stakeholders. Como precisamos trocar informações neste processo, recomenda-se elaborar uma lista de participantes internos e externos ao projeto contemplando informações do tipo nome, posição, função que exercerá no projeto, enderêço, telephone do escritório e celular, bem como, e-mail e outros tipos de comunicadores de mensagens com cobertura global. Isto ajudará a evitar problemas de comunicação do tipo; eu não sabia seu e-mail e por isto não consegui me comunicar …..